Relatório de Serviços

Enfim a chuva dava uma trégua. Só então o detetive Zaneraro saiu do carro em algum lugar na Asa Sul, com uma pasta de couro na mão. Deixou o veículo num estacionamento comum nos prédios do Plano Piloto e caminhou pelo saguão aberto de um desses até alcançar uma rua comercial, cujas vagas de estacionamentoContinuar lendo “Relatório de Serviços”

A Caixa

Os fenômenos celestes carentes de explicação mais contundente sempre fascinaram e fascinam as pessoas. Difícil alguém negar o desejo de testemunhar um dançante ponto brilhante no céu, mesmo que, em sua imaginação, isso pudesse representar uma ameaça à raça humana. Para o cético, há explicações mais plausíveis do que naves procedentes de outros mundos. EContinuar lendo “A Caixa”

A Cortina

Duas horas da tarde de uma segunda-feira. Benito retorna à delegacia na Asa Norte após almoçar em um restaurante nas proximidades. No seu escritório de investigador junta os dezoito boletins de ocorrência registrados pela manhã e os ajusta batendo dois lados da pilha sobre a mesa. Perda de documentos, ameaça, vias de fato… Pessoa desaparecida.Continuar lendo “A Cortina”

Jamal, Jê e Bê

Jamal fazia o dejejum enquanto deslizava o indicador sobre a tela do celular. Despreocupado da rotina naquele domingo de manhã, fez a refeição calmamente, no ritmo da leitura das notícias. Nem a louça suja, acumulada desde sexta-feira, o preocupou. Foi ao banheiro escovar os dentes e viu-se incomodado pelo odor da lixeira, que transbordava. AoContinuar lendo “Jamal, Jê e Bê”

Andar de Bicicleta

Mais que a experiência do aprendizado de andar de bicicleta, memórias. Ao resgatar este texto, percebi quantos detalhes já tinham sido perdidos desde a criação, há alguns anos, até hoje. Nos tempos de criança, quando não havia as opções tecnológicas de diversão de hoje, adorávamos andar de bicicleta. Mas era andar literalmente, não tinha deContinuar lendo “Andar de Bicicleta”

Roubando Goiabas

Este texto foi publicado no livro Khronikôtos, da minha querida mãe, Sueli T. M. Mazurana. Aliás, o texto “Na Banda Estrela do Oriente” também está naquela publicação sob o título “Na Banda”. Era um tempo em que eu ainda era adolescente, um moleque de, sei lá, uns treze ou quatorze anos, mais provavelmente. Andava sempreContinuar lendo “Roubando Goiabas”